Câncer de mama e o abandono dos homens

cancer-de-mama-e-o-abandono

Câncer de mama e o abandono dos homens

Câncer de mama e o abandono de homens é uma triste realidade que se repete na vida de muitas mulheres e precisamos falar sobre isso.

Ou seja, após uma mulher passar por um câncer de mama, na maioria das vezes, é necessário realizar a mastectomia, procedimento cirúrgico que consiste na retirada parcial ou completa da mama.

Mas para além de todo o impacto físico que a doença proporciona, o câncer de mama pode ser terrivelmente traumático para a vida de uma mulher.

Isso acontece pelo fato de que os seios representam um símbolo feminino muito forte, que compete desde a própria sensualidade até o meio de nutrição de vida, durante o período de amamentação.

Agora imagine para uma mulher sofrer uma violência como essa. Depois de passar pela doença, que já é algo extremamente doloroso, ela ainda deve lidar com o seu feminino machucado, no sentido emocional e psicológico.

E os dados não mentem.

Segundo a Sociedade Brasileira de Mastologia, 70% das mulheres com câncer de mama são abandonadas pelos parceiros logo após o diagnóstico e 30% encaram a depressão como consequência do afastamento.

Michelle lidou com o câncer de mama e o abandono

Para ilustrar essa situação, vou contar a história de Michelle, nome fictício que preserva a privacidade da paciente, mas que fala por todas aquelas que passaram por algo parecido.

A vida conjugal de Michelle nunca foi ruim, mas também estava longe de ser maravilhosa.

Para um casamento de 23 anos, com tantos altos e baixos, mágoas pesadas, rotina desmotivante, o relacionamento com seu marido era até aceitável.

No entanto, bastou ela testar sua parceria, para que ele fosse vergonhosamente reprovado.

O relato de Michelle

  • Ao depilar as axilas, ela toca em um nódulo na base de uma das mamas.
  • O marido se mostra preocupado.
  • Diagnóstico confirmado: Câncer de Mama.
  • Michelle se sente devastada.
  • Ela sofre uma mastectomia radical.
  • Michelle sente-se duplamente devastada, busca afeto e colo.
  • O marido se mostra frio.
  • Michelle se sente triplamente devastada pela sua mutilação física e emocional.
  • O marido vai embora.
  • Michelle desespera, pensa que não vai suportar e se deixa cair no fundo do poço.

Câncer de mama e o abandono: o que faz tantos homens agirem de forma tão cruel?

A psicóloga Jacqueline Amaral (CRP09/1106) tem uma longa experiência com o câncer de mama e o abandono dos homens.

Seu trabalho consiste no realinhamento emocional de pacientes e familiares que vivenciam um câncer.

E é com ela que falamos sobre todas as Michelles do mundo, vítimas de câncer e vítimas da indiferença masculina.

Aurélia Guilherme – O caso de Michelle é mesmo uma realidade?

Jacqueline Amaral – Sim, podem ocorrer separações conjugais junto ao diagnóstico do câncer.

Mas, na minha experiência em atendimentos clínicos, percebo que a separação não é motivada apenas pelo diagnóstico, ele pode ser o gatilho para que se concretize a separação conjugal que vinha sendo desenhada na relação.

A pessoa não é outra ao receber o diagnóstico, essa é uma ideia que precisa ser desmistificada.

A pessoa continua sendo a mesma e agora com uma crise para administrar, como outras crises que ocorrem durante a nossa vida.

mulher-segurando-sutia

Nesse momento, muitas pessoas tomam a consciência da finitude humana, talvez uma das maiores crises, para pessoas que imaginavam viver eternamente.

O Instituto Avon e Data Popular em 2012, pesquisou sobre o assunto e constatou que 38% dos homens entrevistados admitiram que o diagnóstico do câncer pode encerrar um relacionamento.

Uma das causas, é a falta de vaidade que percebem nas mulheres.

Nos Estados Unidos, as universidades de Stanford e Utah e o Centro de Pesquisa Seatle Cancer Care Alliance, pesquisaram sobre o assunto e indicaram que a mulher tem 6 vezes mais chances de ser abandonada pelo marido, após a descoberta de uma doença grave.

Aurélia Guilherme – Como a maioria dessas mulheres reage ao abandono de pessoas amadas?

Jacqueline Amaral – Como dito anteriormente, as pessoas têm personalidades que são suas digitais emocionais, portanto, cada pessoa terá sua particularidade para cada situação.

Podemos pensar em várias situações, uma delas é a separação, que não estava sendo esperada e chega junto com o impacto do diagnóstico.

Nesse caso, é a separação conjugal com o adicional do tratamento oncológico. Duas situações que quebram o mundo presumido da pessoa.

Mundo presumido é a projeção do mundo que construímos, nossos projetos, nossos sonhos, enfim é o mundo que conhecemos.

A partir daí, surge um luto da perda da pessoa amada e o luto antecipatório com o diagnóstico do câncer.

Surgem os questionamentos, com relação à eficácia do tratamento, reações físicas, alterações da autoestima, mudanças emocionais, sociais, espiritual e ainda o impacto financeiro que pode gerar o tratamento oncológico.

Então, percebe-se que o diagnóstico oncológico poderá causar diversas reações psicoemocionais, que afetarão as outras áreas da complexidade humana.

Aliada a todas essas alterações, a separação conjugal adiciona, nesse momento, uma dificuldade maior de adaptação.

A pessoa terá que reajustar-se à sua nova condição: o tratamento e a mudança da sua rotina familiar.

Logo, durante o tratamento oncológico terá mais fatores estressantes com a diminuição da qualidade de vida.

Existem pessoas, que enfrentam o diagnóstico oncológico com maior resiliência.

Essas pessoas, geralmente apresentam na sua história de vida, formas de enfrentamento mais adaptativos frente às vicissitudes da vida e conferem um sentido à situação, que as motivam continuar o tratamento.

Aurélia Guilherme – Esse tipo de atitude masculina interfere no tratamento da paciente?

Jacqueline Amaral – De uma forma geral, sim. Durante um processo de separação conjugal, é comum um desgaste de emocional para resolução dos problemas pendentes.

Nem sempre tudo é harmonioso.

O ser humano é um ser integral, o que afeta uma parte, afeta o todo. Os sistemas, nervoso, endócrino, límbico e endócrino estão intimamente ligados.

Dessa forma, quando um sistema sofre desequilíbrio, os outros também sofrem.

A falta de apoio do companheiro poderá gerar desequilíbrio emocional e alterar os resultados do tratamento.

O apoio do cônjuge e da família é muito importante para o tratamento.

Aurélia Guilherme – Como evitar que o desespero assuma proporções incontroláveis?

Jacqueline AmaralO tratamento psicológico busca minimizar o sofrimento do paciente e da família neste novo contexto.

Cuidados especiais estão incluídos para que o estado emocional não seja barreira para o sucesso do tratamento.

Felizmente, psicoterapia auxilia na reorganização dos pensamentos, sentimentos e emoções.

Além disso, auxilia no reconhecimento das suas potencialidades para a tomada de atitudes para a vida que se tem pela frente. Isso pode proporcionar à pessoa, um processo de autoconhecimento e reavaliação do momento presente.

No caso do tratamento oncológico, adoto uma conduta breve e focal, com objetivos delimitados, pois a pessoa tem o tratamento oncológico para seguir. As questões subjacentes serão tratadas posteriormente, caso o paciente tenha interesse.

Profissionais especializados, como psico-oncologistas, têm maior habilidade para esses casos, por terem o conhecimento do processo da doença e suas repercussões.

Dessa forma, não serão tratadas as queixas que possam desestruturar o indivíduo para que prossiga seu tratamento. Logo, a habilidade nesses casos tem grande importância.

Os grupos de apoio são também muito importantes para as trocas de experiências entre pessoas que estão no tratamento oncológico e até mesmo para as pessoas que já finalizaram o tratamento.

mulheres-dando-as-maos-outubro-rosa

Através do grupo, a socialização e o compartilhamento de experiências auxiliam no fortalecimento da paciente. Assim, ela prossegue o tratamento e fica evidente que outras pessoas passam pela mesma situação.

Atualmente coordeno o grupo CEAMA – Centro dos Amigos da Mama, que objetiva orientar as pacientes na buscr do desenvolvimento de práticas e estratégias que auxiliam na melhoria da qualidade de vida.

As práticas integrativas e complementares na saúde (PICS) têm sido grandes aliadas aos tratamentos oncológicos.

São 29 práticas listadas no site do Ministério da Saúde, que não substituem o tratamento médico, como o próprio nome diz, mas são complementares.

Durante o tratamento, também é importante estar com os cuidados de uma equipe interprofissional, composta por médico, enfermeiro, psicólogo, nutricionista, dentista, fisioterapeuta, assistente social, capelão, musicoterapeuta, dentre outros.

A equipe irá acionar o profissional que poderá intervir em cada momento específico.

Nós somos seres integrais – físico, emocional, social e espiritual e todas essas dimensões devem ser consideradas durante o tratamento.

Aurélia Guilherme – Como tratar as cicatrizes para quem vivencia essa situação?

Jacqueline Amaral – Devido a pandemia do COVID-19, grande parte dos atendimentos estão sendo realizados na modalidade on-line.

São feitos atendimentos individuais, casal, família e também, grupo on-line com pacientes, para oferecer cuidados integrais com uma equipe multidisciplinar especializada.

São mantidos os atendimentos presenciais aos pacientes que optam por essa modalidade de atendimento e para os pacientes que estão no tratamento de quimioterapia e radioterapia.

Esses podem ser acompanhados a cada sessão, oferecendo suporte emocional durante o tratamento.

O tratamento psicológico reorganiza os pensamentos, emoções, sentimentos e sensações, permitindo à pessoa buscar melhores formas de enfrentamento e soluções para as situações estressoras.

O Psico-Oncologista atua na prevenção, diagnóstico, preparos cirúrgico, orientação para os tratamentos oncológicos, reabilitação e terminalidade.

O atendimento da Psico-Oncologia priorizará o restabelecimento do equilíbrio do paciente através de técnicas e métodos psicológicos que auxiliaram na expressão e compreensão da situação vivida.

As técnicas utilizadas são: Apoio e orientação psicológica, psicoterapia breve e focal, visualização criativa, relaxamento físico e mental, hipnose ericksoniana, dentre outras.

Neste sentido, o foco da psico-oncologia é o bem estar, já que qualidade de vida independe do momento que o paciente está vivenciando.

Aurélia Guilherme – É possível reconhecer e diferenciar o homem parceiro daquele que não suporta as adversidades da parceira?

Jacqueline Amaral – O autoconhecimento é um caminho que não tem fim, pois somos seres que vamos mudando através das relações conosco, com o outro e com o mundo.

A prática do diálogo, o respeito mútuo e o autoconhecimento auxiliam a pessoa se conectar com o que é importante na sua vida.

Reconhecer o sentido da vida e conectar com seus propósitos são pontos valiosos para perceber o que realmente importa.

Da mesma forma, o respeito, o diálogo e o amor são importantes para conviver com as diferenças pessoais, quando as adversidades são maiores que esses itens mencionados.

Vale refletir sobre a relação.

Quer compartilhar a sua história com a gente para inspirar outras mulheres e ter a análise de uma especialista?

Entre em contato aqui.

Assista também a entrevista com a psico-oncologista Jaqueline Amaral, fazendo uma reflexão sobre as perdas da vida. Basta clicar no link abaixo!

#aureliaguilherme #movimentointimofeminino #cancerdemama #depressao #cancerdemamaebandono #mastectomia

Matérias Relacionadas

Revista

Mod. introdutorio

Capa-revista-top-secret-edicao-1
TOP SECRET

Top Secret – Ed.1

capa-revista-jornalista
Revista

edição especial top secret

casal-na-cama
Revista

Squirting: o esguicho do prazer

orquidea-clitoris
Revista

Clitóris bem estimulado

calcinha-preta
Revista

Estimular o ânus é cool

Sobre Mim
Aurélia Guilherme

Aurélia Guilherme

Uma jornalista que atua nas entrelinhas

mulher chateada